Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

OneCoin é processada por esquema de pirâmide após dar prejuízo de US$ 130 mil

OneCoin é processada por esquema de pirâmide após dar prejuízo de US$ 130 mil

onecoin processo piramide ponzi

Christine Grablis, uma antiga investidora da OneCoin, está processando os fundadores da empresa de criptomoeda por fraude, publicou o Bloomberg na última terça-feira (7). 

Na denúncia, Grablis afirma que perdeu cerca de US$ 130.000 que investiu em OneCoin — exposta como esquema de pirâmide ponzi em 2015 — e busca indenização. 

Além disso, a investidora também está pedindo que seu processo seja certificado como uma ação coletiva para representar outros investidores supostamente lesados pela OneCoin. 

A fundadora e líder original da OneCoin, Ruja Ignatova, foi acusada de fraude eletrônica, fraude de valores mobiliários e lavagem de dinheiro, mas não foi presa. 

Em março, Konstantin Ignatova, seu irmão mais novo e pretendente executivo da OneCoin, foi acusado de conspiração para cometer fraude eletrônica em conexão com o esquema. 

Ambos foram nomeados como réus no processo de Grablis, juntamente com a empresa OneCoin, além de Sebastian Greenwood e Mark Scott, que também estavam envolvidos. 

Greenwood é cofundador e porta-voz da OneCoin. Scott é um advogado licenciado, que é acusado de usar seu conhecimento legal para ajudar a empresa a lavar dinheiro através de fundos hedge.

Esquema Ponzi

OneCoin foi exposta em 2015, pelo Cointelegraph e outros veículos de notícias, como um esquema internacional de pirâmide ponzi que utilizava táticas para levar as pessoas a acreditar em sua legitimidade.  

Através de um marketing multinível, a empresa vendia materiais educacionais para negociação que vinham com tokens que supostamente poderiam ser usados para minerar OneCoins. 

No quarto trimestre de 2014 até o terceiro trimestre de 2016, a empresa gerou 3,4 bilhões de euros (US$ 3,8 bilhões) em receita, de acordo com os promotores. 

Durante essa época, a companhia alegou ter mais de 3 milhões de membros em todo o mundo e seu valor subiu de 50 centavos de euro para 29,95 euros em janeiro.   

No entanto, a moeda não tem valor real e não pode ser usada para comprar nada.

Leia também: Investidores denunciam empresa brasileira por sumir com dinheiro, o que levanta suspeita de pirâmide financeira

 

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Receba as notícias mais importantes no seu email

Últimas Notícias