Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

5 motivos que explicam porque libra do Facebook não é uma criptomoeda

5 motivos que explicam porque libra do Facebook não é uma criptomoeda

facebook criptomoeda

 

O Facebook anunciou o lançamento do Libra, sua própria criptomoeda. A notícia tem sido amplamente divulgada através de redes sociais e mídia, porque é um projeto de grande escala, com o trabalho conjunto de várias empresas de renome, que poderiam atingir mais de 2.700 milhões de usuários mundo.

No entanto, se considerarmos os elementos fundamentais do Bitcoin e de outros criptoactivos, fica claro que o Libra não é uma criptomoeda, ou pelo menos não no sentido que foi entendido até agora.

Centralização

Centralização

Na minha opinião, o elemento mais crítico é a centralização de Libra. De acordo com o whitepaper do projeto Facebook, a criptomoeda estará sob a orientação da Associação Libra, uma organização composta por empresas como Uber, PayPal, MasterCard, Visa, Booking Holdings, eBay, Mercado Livre, entre outras.

Embora isso possa dar alguma credibilidade ao projeto, devido ao interesse corporativo em empresas renomadas, a governança da rede depende completamente dessa entidade, que condiciona tanto o desenvolvimento quanto a operação do próprio sistema. A associação poderia censurar as transações a seu critério e, no caso de um hack, comprometer profundamente o projeto.

Confiando na lei dos EUA e tendo que cumprir as exigências de sua jurisdição, as transações que são suspeitas (de acordo com a definição da Associação de Libra e governos) poderiam ser restringidas unilateralmente.

Desenvolvimento nas mãos de empresas

Desenvolvimento nas mãos de empresas

A gestão do código de Libra e desenvolvimento não é totalmente aberta.
De acordo com os desenvolvedores como Jameson Lopp, embora a linguagem de programação de Libra, Mover, tem sido identificada como um elemento chave, que será aberto para a experimentação, existem dúvidas sobre a gama de possibilidades para desenvolver ferramentas em Libra.

Outro ponto é a privacidade, não fica claro se as identidades dos usuários do Facebook estarão ou não relacionadas com os seus endereços de Libra.

Alcance retrito

Alcance retrito

O Bitcoin e as outras criptomoedas têm um potencial transfronteiriço muito grande, e esse é um dos seus pontos mais fortes. A rede pode ser operada em qualquer país do mundo, sem que seu uso seja completamente restrito.

Devido às restrições legais que o projeto terá em relação ao governo e à legislação dos Estados Unidos, Libra não estará disponível em países como Irã, Rússia, China e Venezuela, contra os quais pesam importantes sanções administrativas e financeiras.

Esses países não poderão contar com Libra como ferramenta para a melhoria de sua economia. Seu potencial para ajudar a população pode ser completamente anulado por condições geopolíticas que não afetam o Bitcoin ou outras criptocorrências.

Política monetária

Política monetária

Neste ponto, a comparação está diretamente com o Bitcoin, a principal criptomoeda do ecossistema. Um elemento fundamental do desenho de Satoshi Nakamoto é a sua política monetária, definida com o máximo possível de bitcoins que estarão na rede, bem como os mecanismos para gerar novas criptomoedas e os incentivos.

Libra não tem uma política monetária definida. Embora este seja um estágio inicial de seu desenvolvimento, estamos falando de um projeto de grandes proporções e com a ambição de se tornar um sistema de pagamento de alcance internacional, por isso a ausência desse elemento é importante.

Quantos tokens de Libra serão criados? A Associação Libra, que deve administrar a queima e a criação de Libra, terá um limite nessas funções? Como esta política monetária se adapta à estabilidade com a qual se espera que a criptomoeda tenha?

Não está claro se os validadores da rede receberão comissões. O procedimento para emitir mais tokens, embora incida sobre a Associação Libra, não foi esclarecido e não foi definido que entidade ou entidades bancárias guardarão a cesta de ativos que apoiará o valor estável de Libra.

Libra como meio de pagamento vs. bancos e governos

Libra como meio de pagamento vs. bancos e governos

Por causa de suas características e objetivos, Libra é mais parecido com o Paypal do que com o Bitcoin. A longo prazo, à medida que o uso da criptomoeda aumente, Libra competirá com as moedas fiduciárias existentes.

Esses sistemas de troca e proteção do valor têm sido tradicionalmente administrados por governos e instituições bancárias que logo verão  Libra como uma ameaça aos seus interesses. O governo dos EUA apoiaria um movimento financeiro que capitalizasse Libra às custas da estabilidade do dólar americano?

Enquanto o Bitcoin e as criptomoedas nascem com a idéia de descentralizar a economia e dar aos usuários o controle de suas finanças, o Facebook persegue um objetivo totalmente diferente: a criptomoeda de Libra procura fortalecer a intermediação.

A ideia é simplesmente facilitar a realização de pagamentos através de várias plataformas e redes sociais. Isso contrasta com o sistema descentralizado de troca de valor, de alcance global e sem restrições impostas por autoridades centrais ou governos, proposto por Satoshi Nakamoto ao criar Bitcoin. As criptomoedas e Libra não competem no mesmo nível.

Leia também: Confundador do Facebook diz que planos da empresa são “assustadores” e que países devem intervir

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram e Twitter e fique por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Receba as notícias mais importantes no seu email

Últimas Notícias

Mais Lidas