Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Novo malware coloca em risco usuários do Google Chrome que possuem criptomoedas

Novo malware coloca em risco usuários do Google Chrome que possuem criptomoedas

google chrome criptmoedas bitcoin vírus malware trojan

Usuários do navegador Google Chrome devem ficar atentos para uma nova ameaça.

Um time de pesquisadores da empresa de análise de segurança Zscaler ThreatLabZ identificou um novo malware que recupera o histórico de pesquisa das vítimas em busca por atividades relacionadas a criptomoedas.

 

De acordo com o relatório, trojan de acesso remoto (RAT), intitulado Saefko, está disponível para venda na dark web.

Construído em formato .NET, o vírus também busca por informações relacionadas a atividades envolvendo cartões de crédito, negócios, redes sociais, jogos e compras online.

Malwares do tipo RAT contam com uma backdoor — uma espécie de porta dos fundos usada para invadir o dispositivo ou software sem ser notado.

Dessa forma, assim que o vírus entra em um dispositivo, o invasor pode monitorar, de maneira ilegal, o comportamento do usuário, bem como suas informações confidenciais, além de conseguir ativar a webcam, fazer capturas de tela e formatar drives. 

Este tipo de malware fica ativado em segundo plano, sendo executado toda vez eu a pessoa faz login em seu computador. 

O trojan Saefko busca por históricos de pesquisa ou visita nos seguintes sites de criptomoedas: 

saefko trojan chrome criptomoedas bitcoin

Os pesquisadores identificaram a maneira que o vírus age:

“O malware Saefko se descompacta e coloca o arquivo saefkoagent.exe em: ‘/%AppData%/Roaming/SaefkoAgent.exe’ e o executa.

Ele também se copia para:

"‘/%AppData%/Roaming/windows.exe’ e ‘/%AppData%/Local/explorer.exe’ e realiza o mesmo procedimento, executando-os", explicaram no relatório.

Após verificar se a conexão com a internet está ativa, o malware utiliza uma técnica exclusiva para identificar se o sistema infectado contém alguma informação vital, buscando no histórico do navegador por sites específicos que foram visitados pela vítima.

Para evitar a exposição ao vírus, a recomendação é padrão:

Nunca baxe programas ou abra anexos de uma fonte não confiável, bloqueie portas não utilizadas, desative serviços não utilizados e monitore o tráfego de saída.

Além disso, dispositivos infectados costumam funcionar com uma velocidade reduzida devido a quantidade de processos sendo realizados em segundo plano pelo malware, o que pode ajudar na detecção do problema por parte da vítima.

Leia também: Bitcoin é como a Internet no começo? Um olhar pela história das duas tecnologias

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram e Twitter e fique por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias

Mais Lidas