Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Hacker Brasileiro é condenado a 15 anos de prisão por roubar bancos para comprar Bitcoins

Hacker Brasileiro é condenado a 15 anos de prisão por roubar bancos para comprar Bitcoins

Por Mirian Romão

bitcoin criptomoedas

Segundo o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, o hacker brasileiro, Itamar Silva Pereira, foi condenado a 15 anos e quatro meses de prisão por invadir e roubar contas bancárias de diversas pessoas em todo o Brasil, o mesmo estava preso desde junho por conta de uma operação (Paragon), da Polícia Federal.

Itamar usava táticas de phishing para conseguir dados bancários de usuários, assim gerava boletos bancários para a compra de bitcoins. Segundo informações do processo, Itamar teve acesso a cerca de 33 mil contas bancárias. 

 

A Polícia Federal flagrou Itamar quando chegou em sua residência para cumprir o mandado de prisão, mesmo assim o indivíduo nega envolvimento nos crimes. Itamar está sendo acusado por lavagem de dinheiro e furto qualificado. 

De acordo com investigações, Itamar não estava sozinho e contava com outras pessoas, operava uma quadrilha na prática dos delitos. O grupo era formado por: Felipe Luciano Amaral Santos, Isaac Vital de Lima e Mozart Rodrigues de Oliveira Junior.

"Itamar é a ponta do iceberg, pois existe todo um esquema de bitcoins por trás; que invadiam a conta das pessoas e geravam boletos para comprar bitcoins, ou seja, adquiriram bitcoins com o dinheiro de outras pessoas (...) é possível comprar bitcoin por boleto, paga-se o boleto e a corretora vai jogar o bitcoin em uma carteira, mas não se sabe de quem é essa carteira e pode-se passar essa carteira para outra pessoa", diz um dos depoimentos do caso.

As investigações foram conduzidas pela Delegacia Especial de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC), do Departamento de Polícia Especializada da Polícia Civil do Distrito Federal.

 

A decisão de ampliar a pena de Itamar se deu pelo fato de que todos os valores passavam pela sua conta bancária, o seu cúmplice, Mozart responsável pela compra dos Bitcoins, afirmou em seu depoimento que ele gerava os boletos que seriam pagos por Itamar. Sendo assim os valores de movimentação bancária da conta de Itamar eram incompatíveis com a sua declaração de imposto de renda.

Leia também: Reportagem da Rede Globo lembra que hoje é o último dia para declarar seus Bitcoins para a Receita

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram e Twitter e fique por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias

Mais Lidas