Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Bitcoin não é o vilão: Maiores bancos do Brasil estão ligados a lavagem de dinheiro, aponta Lava Jato

Bitcoin não é o vilão: Maiores bancos do Brasil estão ligados a lavagem de dinheiro, aponta Lava Jato

lava jato lavagem de dinheiro bitcoin criptomoedas

Embora muitos governos do mundo todo, inclusive do Brasil, muitas vezes falem contra as criptomoedas, argumentando que elas facilitam a lavagem de dinheiro e atividades ilegais, talvez o foco devesse ser outro.

A investigação Lava Jato revelou, em sua 66ª fase, que os principais bancos do país ‘ajudaram’ correntistas a receber mais de R$ 1 bilhão em propina.

 

Os bancos em questão são Itaú, Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú e Santander — os mesmos que encerram contas bancárias de corretoras de bitcoin e criptomoedas alegando atividades suspeitas.

“O que está em apuração é se o banco adotou todas as cautelas devidas para evitar que funcionários fossem cooptados e valores fossem lavados ou se ele foi omisso", disse o procurador da República Roberson Pozzobon, integrante da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba.

De acordo com investigações do Ministério Público, os bancos permitiram a abertura de contas corrente em nome de empresas de fachada e de companhias operadas por doleiros — indivíduos que compram e vendem dólares no mercado paralelo; ao serem identificados, são indiciados por lavagem de dinheiro e evasão de dívidas.

Os dados mostram que o Bradesco teria movimentado R$ 989,6 milhões; já o Banco do Brasil, cerca de R$ 200 milhões; o Itaú R$ 94,5 milhões; Santander R$ 19,5 milhões e Caixa R$ 4,1 milhões.

Ao todo, cerca de R$ 1,3 bilhão de recebimentos supostamente ilícitos teriam sido ‘viabilizados’ pelos bancos por meio de cooptação de funcionários dos próprios bancos e falhas em sistemas de controle de operações suspeitas.

Ironicamente, os bancos Itaú, Banco do Brasil, Bradesco e Santander encerraram contas-correntes de corretoras brasileiras de criptomoedas como Mercado Bitcoin, 3xBit, Bitrecife e Coinext sob os argumentos de que visavam evitar a prática de lavagem de dinheiro e outras atividades ilícitas.

Leia também: “Melhor sair agora do que mais tarde”: PayPal abandona projeto Libra do Facebook; Europa coloca futuro do projeto em xeque

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram e Twitter e fique por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias

Mais Lidas