Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

O que são afinal as criptomoedas?

O que são afinal as criptomoedas?

Não deverá haver ninguém que não tenha ouvido falar das criptomoedas, pelo menos uma vez em alguma conversa de café ou na televisão. E para quem não sabe, elas estão aqui para ficar, e vão certamente ter impacto no nosso futuro. Se não percebe muito de criptomoedas, então fique connosco que nos vamos dar uma luz no assunto.

O que é uma criptomoeda?

O que é uma criptomoeda?

Uma criptomoeda não é uma moeda física, mas sim uma moeda em formato digital. Nela se aplica técnicas de criptografia a fim de gerar segurança nas transações realizadas com esta moeda. É por isso difícil falsificar estas moedas por causa deste protocolo.

Uma das características que é uma das suas maiores atratividades é a natureza orgânica das suas operações; isto significa que não existe nenhum poder centralizado por detrás da sua emissão. Isto assegura a sua isenção de interferências ou de manipulações daquelas entidades que geram as moedas convencionais, como bancos centrais, governos ou outras entidades com interesses obscuros.

A primeira criptomoeda baseada no sistema blockchain foi a Bitcoin, que ainda continua sendo a mais popular e mais valiosa nos dias que correm. Hoje, existem milhares de criptomoedas alternativas com várias funções ou especificações. Algumas delas são simples clones da Bitcoin, mas outras são ramificações, novas criptomoedas que se separam de uma já existente anteriormente.

Compreendendo as Criptomoedas

Compreendendo as Criptomoedas

As criptomoedas são sistemas que permitem a realização segura de transações via on-line. Estas são denominadas em termos de um “token” virtual, representando as entradas no sistema. Quando falamos em “Criptografia” referimo-nos ao fato de que são aplicadas várias técnicas criptográficas, isto é, de codificação e secretismo dos dados, a fim de aumentar a segurança das transações.

A primeira criptomoeda a capturar a imaginação do público foi a Bitcoin, que foi lançado em 2009 por um indivíduo ou grupo conhecido sob o pseudônimo, Satoshi Nakamoto (ninguém sabe se foi uma pessoa, ou grupo de pessoas, responsável pelo desenvolvimento da mesma). Em fevereiro de 2019, havia mais de 17,53 milhões de bitcoins em circulação, com um valor total de mercado de cerca de US $ 63 bilhões (mas atenção que o preço de mercado da bitcoin pode flutuar bastante).

Com o sucesso da Bitcoin várias criptomoedas novas surgiram, conhecidas como “altcoins” (de alternative coins, ou moedas alternativas) como a Litecoin, a Namecoin e a Peercoin, além da Ethereum, EOS e Cardano. Hoje, existem literalmente milhares de criptomoedas, com um valor agregado de mercado superior a US $ 120 bilhões, dos quais a Bitcoin sozinha vale 50% desse valor.

As criptomoedas prometem em facilitar a transferência de fundos diretamente entre duas partes de uma transação, sem a necessidade de terceiros, como um banco ou agências de crédito, sempre com a maior segurança possível.

Nos sistemas modernos de criptomoeda, a “carteira” ou endereço de conta de um usuário tem uma chave pública e uma chave privada que é usada para assinar as transações. Alem das vantagens de segurança e facilidade, são também mais baratas, pois quando as transferências são feitas são cobradas taxas mínimas, permitindo que os usuários evitem as taxas elevadas cobradas pela maioria dos bancos pelas transferências eletrônicas.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias

Mais Lidas