Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

'Sem melhorias na rede, o Bitcoin estaria morto', revela pesquisa

'Sem melhorias na rede, o Bitcoin estaria morto', revela pesquisa

Um relatório divulgado pela equipe de pesquisas da exchange de criptomoedas BitMEX concluiu que o bitcoin não teria resistido por tanto tempo sem as melhorias na escalabilidade da rede.

Depois de realizar testes na rede do Bitcoin Core, com 35 downloads iniciais de bloco (IBDs) e observando o tempo que leva a sincronização de nós da rede, foi possível observar o crescimento e desenvolvimento que ocorreu nos últimos dois anos.

Os aprimoramentos do software utilizados no teste foram lançados de 2012 a 2019, confirmando a teoria de que mesmo com os novos hardwares disponíveis, as versões anteriores do bitcoin teriam um desempenho terrível.

Portanto, segundo a equipe de pesquisa da BitMEX:

“Sem os aprimoramentos do software, uma sincronização inicial hoje poderia ser quase impossível.”

Sobre as soluções de escalabilidade implementadas na rede, o time afirma que foi um fator significativo nas melhorias da rede:

“Os resultados mostram uma melhoria considerável e consistente no desempenho do software, mas também um alto grau de variação”, diz o documento.

Segundo o relatório, desde 2012 houve uma grande melhora na velocidade da rede a cada nova versão de software.

A atualização ‘libsecp256k’ em 2016 foi apontada como a mais importante.

Segundo os pesquisadores, sem estas melhorias, o Bitcoin não teria sobrevivido.

“As grandes reduções nos tempos de IBD e a incapacidade de os nós antigos sincronizarem completamente indicam que, se não fossem essas melhorias de escalabilidade, o Bitcoin estaria praticamente morto, mesmo se os usuários tivessem o hardware de mais alta especificação disponível.”

Leia também: Apresentador de TV recusa 100 Bitcoins e afirma que a moeda é inútil

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram e Twitter e fique por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias