Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Médica brasileira pretende usar blockchain na área da saúde

Médica brasileira pretende usar blockchain na área da saúde

Por Mirian Romão

A empresária e médica brasileira, Bettina Grajcer, destacou em um artigo publicado no jornal Estado de São Paulo, que a saúde passa por um momento único de transformação e que a tendência será o uso de blockchain, conforme reportou o Cointelegraph.

Segundo a médica Bettina, as novas tecnologias estão em constante evolução, auxiliando todo o ecossistema de atenção à saúde, do uso de inteligência artificial (IA) para diagnóstico precoce de doenças, passando pelas cirurgias, por robótica e até a utilização de telemedicina no atendimento de regiões remotas. 

A médica destaca que durante o evento, Exponential Medicine, um dos principais eventos de inovação em saúde, em San Diego, percebeu o quanto a tecnologia pode ajudar. O evento é uma iniciativa da Singularity University, Universidade do Vale do Silício fundada com o apoio do Google e da Nasa. 

Segundo relatos da médica, o evento prometem novas tecnologias para redefinir a saúde nos próximos anos. 

“Com o acesso a seus dados pessoais, o paciente terá cada vez mais autonomia no monitoramento e atenção com sua saúde. Aplicativos de saúde que utilizam IA já podem fazer o acompanhamento de pacientes com doenças crônicas, monitorando por texto sinais clínicos (como a pressão arterial e batimentos cardíacos), possibilitando a intervenção médica precoce quando necessário e atuando preventivamente com a recomendação de alimentos e atitudes saudáveis. A tecnologia possibilita o crescimento em escala do tratamento das doenças crônicas, assim como a prevenção dos fatores de risco associados”, relata a Bettina. 

A médica apontou que haverá digitalização dos dados de saúde. De acordo com ela, precisamos da digitalização dos serviços de saúde e que a tecnologia pode determinar a qualidade de vida das pessoas. 

A Inteligência Artificial pode ser utilizada de várias forma rápida e mais precisa pelos médicos. 

No futuro, os dados médicos devem ser compartilhados usando a blockchain, disse Bettina, “não podemos continuar trabalhando dentro de ‘silos’”. 

Para ela, o uso da blockchain possibilitará o acesso a dados pessoais de forma confiável e verificada. 

No artigo, a médica destaca que o modelo de saúde deve ser baseado em casa e não no hospital, sendo possível permitir o cuidado em casa com a tecnologia auxiliando e mudando profundamente a saúde, sem dispensar o humano. 

Leia também: Trader relata 6 altcoins que estão fazendo com que ele evite o BTC

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram e Twitter e fique por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias