Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Empresa brasileira faz parceira com um dos principais bancos da Alemanha para custodiar Bitcoin

Empresa brasileira faz parceira com um dos principais bancos da Alemanha para custodiar Bitcoin

O grupo MDX Tech, empresa brasileira de soluções em infraestrutura de TI, anunciou a parceria com um dos principais bancos tradicionais da Alemanha para custodiar os bitcoins e outras criptomoedas de clientes da empresa, conforme reportagem do Cointelegraph

A fintech WE será a primeira empresa brasileira a oferecer custódia de criptomoedas apoiada pela legislação nacional e regulamentada a dar ‘Pontos de Fidelidade’ para seus clientes.

O nome do banco ainda não foi divulgado, e todo o processo está sendo acompanhado pelo CEBRAS – Centro Brasileiro de Internacionalização de Negócios na Alemanha.

O projeto está sendo coordenado por Rodrigo Mastrangelo, diretor da WE; Antonio Silva, fundador do Grupo MDX e pelo diretor-executivo e fundador do CEBRAS, Paulo Boelter, que atua como procurador legal da empresa na Alemanha. 

Segundo Mastrangelo:

“A Alemanha é reconhecida no mundo inteiro por suas leis e integridade nos negócios e, recentemente, estipulou padrões que os bancos comerciais precisam atender para realizar custódia regulamentada de criptomoedas”. 

O intuito é trazer segurança para os clientes, diz Mastrangelo, “então, com esta parceria, temos um banco tradicional fazendo custódia das criptomoedas de nossos clientes de acordo com a lei da Alemanha. Isso é garantir a segurança para nossos clientes”, afirma.

A fintech tem o objetivo de se tornar um banco de criptomoedas mundial, portanto, vai oferecer diversos serviços financeiros para seus clientes.

Com o programa de fidelidade em pontos, em primeiro momento, os clientes do banco poderão trocá-los pela criptomoeda LQX e alguns outros produtos em sites parceiros. 

Antonio Silva declarou que buscou a legalidade das operações e a segurança para custódia dos ativos dos clientes. 

“(…) Não é melhor ter um custodiante regulamentado que, por lei, tem que garantir a segurança do ativo e, em caso de qualquer problema, garantir a liquidez dele? Foi isso que buscamos, ninguém pode falar que eu vou pegar o Bitcoin de ninguém, pelo contrário, sou hoje a única empresa de criptomoedas do Brasil que oferece custódia 100% dentro da lei e com a garantia de um banco tradicional (…)”, afirmou Silva. 

Por mais que a empresa seja desenvolvida por brasileiros, a Fintech WE está sediada na Alemanha. Segundo o fundador do grupo MDX Tech, o país foi escolhido por ser o que mais respeita o uso das criptomoedas. 

“O Brasil não tem este arcabouço regulatório sobre cripto ou sobre custódia e a CVM já disse que Bitcoin em sua essência não é valor mobiliário, então estamos oferecendo custódia de um ativo que não é valor mobiliário. Também não estamos captando dinheiro para isso, portanto, não estamos sujeitos à CVM. Mas mesmo assim eu quero saber o que eles querem. Se querem que eu vire ‘regulado’ pela CVM eu viro (…)”, finalizou o co-fundador da WE. 

Leia também: Veterana de Wall Street anuncia o primeiro banco de criptomoedas dos Estados Unidos

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram, Twitter e Telegram para ficar por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias