Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Ronaldinho Gaúcho é condenado por morte de eletricista após pirâmide com Bitcoin e prisão no Paraguai

Ronaldinho Gaúcho é condenado por morte de eletricista após pirâmide com Bitcoin e prisão no Paraguai

ronaldinho-gaúcho-roberto-assis-futebol-piramide-bitcoin-paraguai-jogador
Foto: AFP

Ronaldinho Gaúcho, o ex-astro da Seleção Brasileira de futebol e recente foco de diversas polêmicas nos últimos tempos, incluindo uma suposta pirâmide financeira com Bitcoin, agora foi condenado pela morte de um eletricista.

Segundo decisão da Justiça do Rio Grande do Sul publicada nesta semana, o jogador e seu irmão Roberto Assis foram condenados responsáveis pela morte de Clovis Juarez Klein.

O eletricista faleceu depois de ser atingido por uma descarga elétrica enquanto instalava um telhado metálico em um sítio dos irmãos em Ponta Grossa-RS.

O incidente teria sido causado por irregularidades no sistema elétrico do local. Inicialmente a Justiça entendeu que eles não eram culpados, mas os familiares — a viúva e dois filhos de Clóvis — apelaram contra a decisão.

A morte do eletricista aconteceu em 2010, e agora, 10 anos depois, Ronaldinho e seu irmão foram condenados a pagar uma “indenização de R$ 150 mil mais pensão”, conforme publicação do ConJur.

Na decisão, a juíza apontou irregularidades encontradas por um engenheiro elétrico, como fios desencapados e recuo inadequado entre postes de energia.

A pensão será reajustada em 1% ao mês, sendo observada a data de início do processo, em janeiro de 2010.

Para estipular o valor do benefício, a Justiça deteminou 1/3 daquilo que Clovis recebia mensalmente trabalhando como autônomo.

O jogador e seu irmão pagarão a pensão até que os dois filhos do eletricista completem 25 anos.

Golpe com Bitcoin

Ronaldinho é acusado de envolvimento na suposta pirâmide financeira 18K Ronaldinho, e se tornou réu numa ação coletiva de clientes da empresa que pedem R$ 300 milhões em indenização.

No entanto, o ex-jogador do Flamengo alega que não faz parte do esquema.

Além disso, ele e seu irmão e empresário, Roberto de Assis, estão presos desde 7 de março no Paraguai, depois que as autoridades locais descobriram que o famoso estava utilizando passaporte falso.

Ambos estavam em um hotel em San Lorenzo quando foram detidos. Além do passaporte, os dois utilizavam também identidades falsificadas.

Leia também: Ministério Público denuncia empresa de Bitcoin que prometia lucros de 240% ao ano

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram, Twitter e Telegram para ficar por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias