Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Ladrões usaram álcool em gel para roubar R$ 10 milhões em criptomoedas em meio ao pânico

Ladrões usaram álcool em gel para roubar R$ 10 milhões em criptomoedas em meio ao pânico

criptomoedas-bitcoin-alcool-gel-higienizador-mãos-coronavírus-covid19-doença-golpe-fraude-ladrões-

Com a tensão global que se instalou desde a nova classificação oficial do Coronavírus como pandemia, muitas pessoas entraram em pânico.

Em meio ao caos, golpistas viram na crise de saúde pública uma oportunidade para tomar vantagem e roubar mais de R$ 10 milhões em criptomoedas usando itens como álcool em gel, máscaras descartáveis e medicamentos como isca.

De acordo com a empresa de segurança AnChain.AI, muitos consumidores usaram Bitcoin e outras criptomoedas para comprar produtos que nunca foram entregues.

“Os criminosos estão explorando o medo e a incerteza criados pelo COVID-19 para atacar cidadãos inocentes que buscam apenas proteger sua saúde e a de seus entes queridos”, disse o secretário geral da INTERPOL, Jürgen Stock, em um recente aviso de fraude ao consumidor emitido pela força policial da Europa.

Segundo Steven Yang, diretor de marketing da AnChain.AI, alguns desses golpes estão sendo facilitados por meio de criptomoedas.

Só nas primeiras duas semanas de investigação, a empresa alega ter rastreado milhões de dólares em fundos de criptomoedas fraudados.

Yang conta que, para investigar o caso, Victor Fang, CEO da empresa, encomendou 100 máscaras cirúrgicas na Amazon que ainda não chegaram.

O padrão dos criminosos

Os golpistas usam sites confiáveis como Amazon, eBay e outros para atrair os consumidores, e, depois, eles são direcionados para fora das plataformas, em sites de mensagens sem supervisão de terceiros.

Lá, os golpistas recebem o pagamento e imprimem uma etiqueta falsa de remessa como “prova” para enganar o mercado e o consumidor.

Em alguns casos, os pacotes até chegam na casa dos compradores, no entanto, estão vazios, aponta Yang.

Até agora, mais de 90% das transações fraudulentas com criptomoeda foram recebidas em Tether (USDT), 5% em Bitcoin (BTC), 2% em Ethereum (ETH) e uma pequena quantia em “uma ampla variedade” de outras criptomoedas, diz a empresa.

Embora o esquema tenha sido investigado por apenas duas semanas na Ásia, já identificando R$ 10 milhões em roubo de criptomoedas, a AnChain.AI afirma que o golpe está acontecendo há meses, em todo o mundo, e “não deve parar tão cedo”.

Leia também: Sem pagamento, cliente da Atlas Quantum coloca 56 Bitcoins a venda por US$ 350 cada

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram, Twitter e Telegram para ficar por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias