Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Empresa de Forex e criptomoedas é proibida de atuar no Brasil sob pena de multa diária da CVM

Empresa de Forex e criptomoedas é proibida de atuar no Brasil sob pena de multa diária da CVM

ava-trade-criptomoedas-forex-cvm-comissão-valores-mobiliários-brasil-empresa-multa-proibição-proibida-notícias-mercado-

Em mais um alerta, nesta quarta-feira (06) a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) proibiu outra empresa de criptomoedas e Forex de oferecer serviços no Brasil.

A empresa Ava Trade foi proibida de captar investidores no país em serviços de intermediação de valores mobiliários, sob pena de multa diária de R$1 mil caso a determinação não seja cumprida.

Com a emissão do Stop Order, a CVM ordenou a suspensão imediata da veiculação “de qualquer oferta de serviços de intermediação de valores mobiliários” por parte da Ava Trade, que não possui autorização da autarquia para oferecer tais serviços no país.

Trata-se de uma medida de cautela, aponta o órgão, cujo objetivo é prevenir ou corrigir situações anormais de mercado detectadas pela CVM.

Contudo, caso a empresa siga os passos da IQ Option, outra empresa de criptomoedas e Forex proibida pela CVM, e decida por continuar a atuação, a multa será acumulada diariamente, podendo atingir valores altíssimos.

Além disso, o alerta aponta que “no caso de infrações, a penalização exige a conclusão de processo administrativo sancionador com decisão condenatória”.

Assim, a empresa que também foi proibida de atuar no Canadá no início do ano, corre risco de ser proibida de praticar atividades que dependam de autorização ou registro na CVM por até 20 anos, nos termos do art. 11 da Lei nº 6.385, de 1976.

Leia também: Bitcoin Banco some com R$350 milhões e advogado pede prisão de Cláudio Oliveira caso não apareçam

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram, Twitter e Telegram para ficar por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias

5. Negligenciar o uso da autenticação de dois fatores (2FA)