Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Hacker revela como invadiu uma carteira de Bitcoin em 30 horas

Hacker revela como invadiu uma carteira de Bitcoin em 30 horas

Hacker-bitcoin-carteira-30-horas-hackers polícia federal unick indeal criptomoedas pirâmide

Um hacker e desenvolvedor da Lightning Network chamado John Cantrell revelou como concluiu a árdua tarefa de invadir uma carteira de bitcoin, roubando quase R$50 mil para si.

Cantrell levou 30 horas para checar nada menos que 1 trilhão de possíveis frases mnemônicas (combinações de 12 palavras colocadas em uma ordem específica que permitem o acesso a uma carteira).

De onde surgiu a ideia

Na verdade, tudo fez parte de um desafio orquestrado por Alistair Milne, CIO do Altana Digital Currency Fund, que teve início em maio.

Periodicamente, Milne publicou dicas para a frase inicial de 12 palavras para um endereço de carteira que continha 1 BTC inteiro, e os competidores deveriam decifrar o código para conseguir o prêmio.

O CIO planejava publicar as última três palavras de uma só vez, visando evitar que alguém forçasse a entrada na carteira ao adivinhar palavras continuamente até que uma combinação funcionasse.

Contudo, seu plano falhou, e Cantrell conseguiu invadir a carteira com apenas 8 palavras da frase inicial.

Testando “aproximadamente 1,1 trilhão de mnemônicos possíveis”, o desenvolvedor foi capaz de adivinhar as outras 4 palavras restantes, encontrar a combinação certa e desbloquear o endereço, levando o prêmio.

Como isso foi possível

As frases mnemônicas têm um número limitado de 2048 palavras que podem conter.

Para vencer o desafio, Cantrell contou que escreveu um programa especial e executou algumas benchmarks antes de descobrir que seu equipamento na época não seria capaz de realizar a tarefa.

O laptop do desenvolvedor  conseguiu verificar apenas 1.250 mnemônicos por segundo, totalizando 108 milhões por dia.

“Isso significa que minha CPU levaria cerca de 25 anos para gerar e verificar as 1 trilhão de possibilidades necessárias para a força bruta do mnemônico, enquanto conhecia apenas oito das palavras”, observou ele.

Assim, Cantrell decidiu usar a computação em nuvem e alugou várias dezenas de placas gráficas em um mercado de GPU e o serviço de computação em nuvem da Microsoft, Azure.

Depois, escreveu um software que distribuiria o trabalho em lotes por cada placa gráfica.

Quando a oitava palavra foi publicada, o hacker ligou as máquinas e passou a testar “cerca de 40 bilhões de mnemônicos por horax” no pico.

“Isso significa que levaria cerca de 25 horas para testar os 1 trilhão de mnemônicos. Eu sabia que, em média, levaria apenas 50% do tempo”, disse Cantrell.

No entanto, após testar 85% das combinações, o hacker ainda não havia decifrado o código e percebeu que seu plano dependia das palavras estarem na ordem certa, e se não estivessem, “haveria 8! (fatorial) mais possibilidades”.

Cantrell passou um dia inteiro fazendo cálculos e quase desistiu, quando, para sua surpresa, “um pouco mais tarde, naquela noite (em 91%) e depois de quase 30 horas e exatamente 1 trilhão de cheques (1.000.710.602.752), o sistema encontrou uma solução!”, afirmou.

Temendo que mais alguém tivesse encontrado a resposta, o desenvolvedor pagou uma taxa de 0,01 BTC (cerca de R$493) para transferir o valor para sua carteira pessoal.

O hacker agora planeja lançar seu próprio desafio “que não pode ser ganho com software” para pagar adiante.

Leia também: Vídeo: Ex-líder da Unick Forex leva surra da Guarda Municipal em SC

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram, Twitter e Telegram para ficar por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias