Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Cubanos apostam todas as fichas nas Criptomoedas para tentar fugir das sanções americanas

Cubanos apostam todas as fichas nas Criptomoedas para tentar fugir das sanções americanas

HAVANA (Reuters) – Jason Sanchez, 35 anos, começou a comprar peças on-line para sua loja de celulares em Havana, graças ao advento do comércio de criptomoedas em Cuba, administrada por um governo comunista.

Cuba, que de várias maneiras permanece paralisada no passado, pode parecer um foco improvável para as criptomoedas.

No entanto, o lançamento da Internet móvel há quase um ano abriu o caminho para transações em criptomoedas, e os entusiastas se multiplicaram à medida que a moeda ajuda a superar os obstáculos criados pelas sanções dos EUA a Cuba.

 

O embargo comercial norte-americano de décadas separa os cubanos dos sistemas internacionais de pagamento e dos mercados financeiros convencionais. Os cubanos não podem obter cartões de crédito ou débito para uso internacional na ilha e lutam para fazê-lo no exterior.

Portanto, cubanos como Sanchez estão comprando moedas digitais, que são em geral não regulamentadas, descentralizadas e anônimas, para fazer compras on-line, além de investir e negociar.

“Isso está realmente abrindo novas portas para nós”, disse Sanchez, que usa o Bitcoin para comprar peças em uma loja online chinesa.

Alex Sobrino, fundador do canal Telegram CubaCripto, onde os cubanos debatem e negociam moedas digitais, disse que estima que cerca de 10.000 cubanos as estejam usando.

“Estamos usando criptomoedas para recarregar nossos celulares, para fazer compras on-line e até há pessoas reservando quartos de hotel com elas”, disse o homem de 33 anos, que negocia cripto como um trabalho paralelo ao negócio de padarias de sua família.

Certamente, é improvável que as moedas digitais se tornem o principal método de pagamento dos 11,2 milhões de habitantes da ilha do Caribe em breve. O comércio de criptomoedas ainda não é legal em Cuba.

E, como a maioria dos cubanos não tem cartão de crédito, muitos precisam pedir a parentes no exterior que comprem sua primeira parcela de criptomoeda ou compram dentro da comunidade em canais de mídia social como o CubaCripto, que tem mais de 400 membros.

Freqüentemente, os dois lados do acordo se encontram frente a frente para o comprador entregar dinheiro e o vendedor para realizar a transação em um laptop ou telefone.

Sanchez comprou frações de Bitcoin – que custam cerca de US $ 10.000 cada – através de uma startup fundada há um ano por cubanos no Brasil que visa tornar as compras de criptomoedas mais práticas.

“Para estrangeiros, as criptomoedas são apenas mais uma opção”, disse o fundador Adrian C. Leon, cientista da computação cubano de 31 anos com sede no Rio de Janeiro.

“Mas para os cubanos é uma necessidade e pode ser uma solução para sua exclusão da comunidade financeira global”.

Várias plataformas de financiamento coletivo fecharam contas para as vítimas do tornado em Havana no início deste ano, por exemplo, apesar de as doações serem legais, simplesmente devido à menção a Cuba.

As plataformas estrangeiras estão preocupadas com a realização de transações legais em relação a Cuba devido a multas multimilionárias passadas dos EUA em instituições por violar sanções.

Governo Cubano e Criptomoedas

Governo Cubano e Criptomoedas

O governo cubano disse em julho que estava explorando o potencial das criptomoedas, seguindo os passos de outros países sob sanções dos EUA, como Venezuela e Irã.

Durante uma breve estadia na ilha, o polêmico John McAfee ganhou as manchetes dizendo que estaria disposto a ajudar Cuba nesse empreendimento.

No entanto, Cuba poderia, como o Irã, optar por desenvolver uma criptomoeda nacional experimental, mesmo ao proibir o comércio de moedas digitais existentes devido a preocupações com lavagem de dinheiro ou um choque com seus princípios comunistas.

“Nós tememos que o governo nos restrinja, proíba coisas, comece a dizer que isso é enriquecimento ilícito”, disse Sobrino.

Ele acrescentou que gostaria de receber o apoio da comunidade de criptomoedas e que estava ciente da necessidade de proteger os investidores de golpistas que tiram vantagem da falta de regulamentação, como em outras partes do mundo.

O professor Alexi Masso Muoz, do instituto de criptografia da Universidade de Havana, foi citado como tendo dito que não há leis sobre o assunto atualmente, “embora seja possível que em breve tenha algumas”.

Enquanto isso, a mania está atingindo até as regiões orientais de Cuba, longe da capital cosmopolita.

“Espero que, no futuro, criptomoedas sejam usadas para todos os cubanos”, disse Ruslan Concepcion, 27, que vive na tranquila cidade de Las Tunas, no leste do país, e investe em criptomoedas para obter renda extra.

Reportagem produzida pela U.S.News.

Leia também: Vereadores usam criptomoedas para comprar maconha na Califórnia

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram e Twitter e fique por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias

Mais Lidas