Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Empresa de criptomoedas e sócio acusado de participar de assassinato têm contas bloqueadas na Justiça

Empresa de criptomoedas e sócio acusado de participar de assassinato têm contas bloqueadas na Justiça

A Justiça determinou o bloqueio das contas da Valour Invest, empresa suspeita de operar um esquema de pirâmide financeira, e seu sócio Edgar Accioli, acusado de participação em um assassinato em junho de 2019.

A decisão liminar foi proferida pela juíza Renata Soubhie Nogueira Borio da 6° Vara Cível de Osasco-SP na terça-feira (18), em favor de um investidor que aplicou R$ 56.122,00 na empresa para investimento e negociação de criptomoedas.

O aporte foi feito em outubro de 2018, e, menos de um ano depois, em junho de 2019 quando o cliente fez o pedido de saque na plataforma, a empresa não realizou a operação, alegando que não teria data para liberação dos valores, conforme consta nos autos.

Depois, “todos os colaboradores da ré foram demitidos, encerrando suas atividades”, o que levou o cliente a buscar a Justiça para reaver seus valores, temendo nunca ser pago pela empresa.

“O fundado receio de dano irreparável é flagrante, porquanto o autor poderá não receber os valores”, declarou a magistrada diante dos fatos. Assim, concedeu ao cliente a tutela antecipada.

Borio também acolheu o pedido para desconsiderar a personalidade jurídica e trazer como réu no processo o sócio da Valour Invest, Edgar Accioli, que se encontra detido desde agosto do ano passado por suspeita de participação no assassinato do advogado Francisco de Assis Henrique, morto em um posto de gasolina em São Paulo em junho de 2019.

assassinato advogado valour invest criptomoedas
Manchete da investigação na época. Imagem: Reprodução/Globo

A corretora de criptomoedas Braziliex também é citada como réu no processo, e deverá sofrer o bloqueio de R$ 56.122,00, junto à empresa e seu sócio, conforme a decisão de Borio.

“Assim, defiro o bloqueio de R$56.122,00 na conta dos réus Edgar, Valourinvest e Braziliex, via Bacenjud, até decisão final”, determinou a juíza.

Ao Portal do Bitcoin, a Braziliex afirmou que a Valour Invest nunca teve conta na corretora, e chamou o processo de absurdo, informou o site.

Leia também: Policial Federal é preso após receber Bitcoin para alterar informações no sistema da instituição

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram, Twitter e Telegram para ficar por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias