Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Alemanha declara Bitcoin e criptomoedas como instrumentos financeiros

Alemanha declara Bitcoin e criptomoedas como instrumentos financeiros

alemanha-bitcoin-criptomoedas-instrumentos-financeiros-status-criptoativos-regulamentação-

A Autoridade Federal de Supervisão Financeira (BaFin) da Alemanha esclareceu o status legal do Bitcoin e outras criptomoedas no país, definindo-as como instrumentos financeiros.

A medida trás maior clareza para o setor no país e define seu posicionamento para outras nações, além de ressaltar que os criptoativos não devem ser confundidos com vários tipos de “dinheiro eletrônico”, que contam com outras seções da lei dedicadas a eles.

De acordo com o comunicado de imprensa publicado na segunda-feira (02), as criptomoedas agora são classificadas na Alemanha como “representações digitais de valor”, com as seguintes características:

– Não são emitidas ou garantidas por nenhum banco central ou órgão público;

– Não têm status legal de moeda ou dinheiro;

– Podem ser usadas por pessoas físicas ou jurídicas como meio de troca ou pagamento;

– Servir para fins de investimento;

– Podem ser transferidas, armazenadas e negociadas eletronicamente.

O órgão financeiro informou que a nova classificação foi baseada em definições escritas por outros reguladores em todo o mundo, como Grupo de Ação Financeira Internacional (FATF, na sigla em inglês).

Também ressaltou que antes disso, as criptomoedas não se enquadravam em nenhuma das categorias pré-existentes reconhecidas na Alemanha.

A partir de agora, os custodiantes de criptomoedas precisarão de uma licença adequada para oferecer seus serviços legalmente no país.

Aqueles que estão trabalhando atualmente sem o documento, podem se inscrever para obter sua licença até o final de novembro de 2020.

Na Alemanha, até os bancos tradicionais estão interessados em criptomoedas, e pelo menos 40 deles se inscreveram para receber a licença para operar com custódia dos criptoativos.

As mudanças acontecem em decorrência da Quinta Diretiva Anti-Branqueamento de Capitais (5AMLD), que começou a operar em 10 de janeiro deste ano, com o objetivo de se alinhar às tendências e tecnologias modernas e fortalecer as regras atuais em matéria de transparência e cooperação entre as autoridades de supervisão financeira. 

A diretiva é parte da luta contra o financiamento do terrorismo e visa aumentar a transparêcia nas transações financeiras.

Leia também: Steven Seagal é condenado a pagar R$1,5 milhão por promover criptomoedas sem futuro

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram, Twitter e Telegram para ficar por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias