Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Deputado pede que Paulo Guedes crie criptomoeda para enfrentar coronavírus no Brasil

Deputado pede que Paulo Guedes crie criptomoeda para enfrentar coronavírus no Brasil

O Deputado Federal Luizão Goulart encaminhou ao Ministro da Economia, Paulo Guedes, sua “indicação” para substituir a moeda em espécie por moeda digital. 

Segundo a assessoria do Deputado Goulart em entrevista exclusiva para o Criptonizando, a substituição seria gradativa e definitiva da moeda fiduciária. 

A medida seria uma forma de enfrentar a pandemia causada pelo coronavírus e definir um CBDC (criptomoeda emitida pelo banco central) para o Brasil.

O pedido de indicação foi protocolado junto à Mesa da Câmara dos Deputados no dia 02/04/2020 e o Ministério da Economia tem o prazo de 30 dias para responder ao Deputado. De acordo com o assessor, esse prazo é constitucional, ou seja, o Ministro Paulo Guedes tem obrigação de responder nos termos do §2º do art.50 da CF/88.

Os CBDCs se tornaram possíveis em outros países e pode ser criado no Brasil também. Recentemente,o Banco Central da Coréia do Sul anunciou o lançamento de seu programa piloto para testar o próprio CBDC, o Won Digital.

Sobre os benefícios da moeda digital para o Brasil, o Deputado Goulart diz:

“A moeda digital é uma realidade mundial e que facilita o dia a dia das pessoas com segurança, comodidade e agilidade de transações. O sistema bancário já é todo digital, o dinheiro praticamente já é todo digital Essa substituição colocaria o Brasil na vanguarda de vários países que ainda estão “engatinhando” sobre o tema. Entendemos que se trata do futuro e não há como “fugir ou desviar” dele. Todos que entendem o fenômeno e revolução que a internet trouxe a humanidade sabia que um dia ela teria sua ‘própria moeda”.

De fato, o manuseio da moeda em espécie agrava a transmissão do coronavírus e de quaisquer outras doenças. Pensando nesta situação, o Deputado Goulart propôs essa mudança de trocar de moeda em espécie para o “Criptoreal”. 

Para o deputado, o governo Brasileiro estaria dando um passo na vanguarda dos demais países com o Criptoreal, estabelecendo por meio do Banco Central um programa de substituição definitiva da moeda em espécie. 

Quando questionado sobre a diferença entre o bitcoin e a criptomoeda brasileira proposta, Goulart declarou:

“O Bitcoin é uma realidade, além do fator histórico de ter sido a primeira moeda digital. Ele continua firme e forte no mercado de transações da internet, mas não podemos olvidar que ele pertence ao setor “Privado”. O que estamos defendendo é que o Governo Federal também tenha sua própria “moeda digital oficial”, ou seja, não vemos problema algum o fato de o “Estado” também participar desse “jogo” de transações comerciais interna ou internacionais em concorrência com moedas digitais “privadas””, declara o deputado.

Contudo, é evidente que para o Criptoreal se tornar uma realidade terá uma demanda de estudo e programação interna do Banco Central do Brasil. 

Sobre o tempo que levaria para implementar a criptomoeda brasileira o deputado afirma: 

 “Essa mudança seria necessária o mais rápido possível por causa do fator de risco envolvendo Saúde Pública. Portanto, calculamos que um ano seja o tempo ideal para substituição da moeda em espécie por uma moeda digital”. 

Leia também: Ministério Público denuncia suposta pirâmide de garçom que movimentou R$27 milhões

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram, Twitter e Telegram para ficar por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias