Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Exchanges de bitcoin já lucraram mais que o maior banco da Alemanha em 2020

Exchanges de bitcoin já lucraram mais que o maior banco da Alemanha em 2020

O Deutsche Bank, maior banco da Alemanha, teve um lucro menor que exchanges de bitcoin e criptomoedas em 2020, até o momento.

Esse ano tem sido de muitas emoções e reviravoltas em todo o mundo, e no universo das criptomoedas não é diferente. Em meio a quedas bruscas e recuperações firmes no criptomercado, eis que a exchange Binance ultrapassou o Deutsche Bank, maior banco de empréstimos da Alemanha, em termos de lucros.

Conforme reportou o Livecoins, na última quarta-feira (29), o Deustche Bank divulgou seus lucros no primeiro trimestre de 2020, afirmando ter feito £ 66 milhões durante este período (cerca de US$72 milhões de dólares nesta terça-feira, 5).

Enquanto isso, a principal exchange de criptomoedas do mercado, Binance, anunciou que teve um lucro de pelo menos US$262 milhões no primeiro trimestre, aponta a matéria.

Quem chamou a atenção para o fato, sem citar nomes de corretoras, foi o famoso usuário TheSkyhopper, ou ‘Tubarão do Bitcoin’, no Twitter:

“Agora que parei para pensar, a maioria das principais exchanges de criptomoedas fizeram mais dinheiro que o Deutsche Bank, o banco líder da Alemanha”, declarou.

Adaptação

Mesmo com a queda massiva no preço do bitcoin e outras criptomoedas durante o mês de março, o mercado de criptomoedas teve um primeiro trimestre positivo, gerando um enorme lucro para a Binance, diferente do Deutsche Bank.

Nos últimos tempos, instituições bancárias e entidades governamentais estão se abrindo para o potencial das criptomoedas, visto que o mercado não para de crescer e deve tomar o espaço dessas empresas.

Com a chegada da crise trazida pelo novo coronavírus, um banco italiano anunciou a opção de compra e venda direta de bitcoin por meio de sua plataforma que já conta com um milhão de usuários.

Diante do mesmo cenário, um banco europeu decidiu oferecer a principal criptomoeda do mercado para seus 7 milhões de clientes, para dar a oportunidade de que eles diversifiquem os investimentos com a alternativa ao dinheiro fiduciário.

Talvez a performance do Deutsche Bank tivesse sido melhor se este também oferecesse serviços de criptomoedas aos usuários.

Contudo, grande parte dos entusiastas das criptomoedas criticam medidas desse tipo, argumentando que vai contra o propósito do bitcoin, primeira criptomoeda criada.

Leia também: Com benefícios: Binance busca voluntários que falem português para contribuir com a exchange

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram, Twitter e Telegram para ficar por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Na Venezuela, população consegue uma forma de enviar criptomoedas sem internet

Na Venezuela, população consegue uma forma de enviar criptomoedas sem internet

A população da Venezuela agora tem uma forma de enviar criptomoedas sem precisar de conexão com a internet.

Embora a internet seja uma ferramenta essencial atualmente, nem todos possuem acesso a essa tecnologia, ou simplesmente contam com serviços de baixa qualidade, tornando difícil o uso, por diversas vezes.

No início da semana, a corretora venezuelana Criptolago anunciou o lançamento de um serviço que processa transações de criptomoedas por meio de mensagem de texto (SMS), reportou o Decrypt.

De acordo com o comunicado, a iniciativa foi uma resposta ao pedido do presidente Nicolas Maduro, para que as empresas desenvolvessem mecanismos de pagamento paralelos ao sistema bancário tradicional.

“Abrimos a possibilidade de toda a população venezuelana realizar transações de Petro de uma forma muito prática”, ressalta a exchange.

Mas não se engane, o serviço não está disponível somente para a Petro (PTR), criptomoeda lastreada em petróleo que visa impulsionar a economia do país.

Todos os tokens listados na plataforma podem ser transacionados usando a nova ferramenta offline, incluindo Bitcoin, Litecoin, Dash e Glufco (token de mesmo nome do banco venezuelano de investimento em criptomoedas).

No momento, apenas usuários registrados podem usufruir do serviço, mas o processo de integração é simples. O verdadeiro problema, aponta o site, é encontrar uma taxa agradável para o PTR, que conta com um preço muito instável, tornando-o ruim para funcionar como um método prático de troca.

Transações por SMS na Venezuela

Antes mesmo da Criptolago lançar a novidade, usuários da Venezuela já conheciam a funcionalidade de envio de criptomoedas por mensagens de texto desde 2018. Atualmente, a solução mais popular é o Dash Text – uma carteira offline do Dash Core Group.

De 6.456 transações offline enviadas desde janeiro de 2019 registradas pela Dash Text, 6.105 vieram da Venezuela.

São 8.000 carteiras ativas e habilitadas nos EUA, Colômbia, Espanha, Brasil e Venezuela atualmente, informa a Dash.

Envio de bitcoin por satélite

Em maio de 2019, a rede de satélites Blockstream Satellite e a startup goTenna, que explora maneiras de permitir que os usuários se conectem com outras pessoas sem o uso da internet, integraram suas tecnologias para facilitar o envio de transações de bitcoin offline.

Com a integração das tecnologias, os usuários podem receber dados de blockchain via satélite e enviar transações de BTC assinadas através da rede da goTenna sem uma conexão direta com a Internet. 

No entanto, há uma limitação: para enviar uma transação, o usuário precisa se conectar a alguém próximo, dentro de uma milha de distância.

Leia também: Segundo maior banco dos EUA confirma parceria com a Ripple

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram, Twitter e Telegram para ficar por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias