Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

5 dicas para conseguir uma vaga na área, segundo o diretor da Ripple na América Latina

5 dicas para conseguir uma vaga na área, segundo o diretor da Ripple na América Latina

ripple-diretor-dicas-criptomoedas-blockchain-xrp-bitcoin-trabalhar-vagas-

Para ajudar os entusiastas de blockchain e criptomoedas, Luiz Antonio Sacco, diretor geral da Ripple na América Latina, deu cinco dicas para quem quer conseguir uma vaga na área.

Com a crescente popularidade dessas tecnologias ao redor do mundo, a busca por não apenas conhecer, mas trabalhar na área se torna cada vez mais comum, principalmente com a necessidade por inovação em meio à crise mundial enfrentada como consequência do novo coronavírus.

Em participação no Channel360oTV no Youtube, o diretor da companhia emissora de uma das principais criptomoedas do mercado explicou os principais requisitos para se dar bem na área e conquistar aquela tão sonhada vaga na área de blockchain. Confira:

1. Conhecimento

Em primeiro lugar, não poderia ser diferente: Conhecimento é “o ponto de partida”, como explica Luiz Antonio, apontando que é fundamental conhecer as características da tecnologia blockchain, como descentralização, criptografia, rastreabilidade, imutabilidade de registros.

“Tecnologia transformadora é aquela que resolve problemas reais”, ressalta, argumentando que ao conhecer as características da blockchain, o profissional pode rapidamente fazer a associação entre o problema e a tecnologia de maneira pragmática.

Ainda neste tópico, Luiz Antonio aponta que as suas habilidades em linguagens de programação são importantes. “Conhecimentos de Java e C++ também são bastante necessários, já que os projetos que envolvem blockchain demandam esse tipo de escritos”, diz Luiz Antonio.

2. Proatividade e Sociabilidade

Esse, conhecida como “ir atrás” de algo, é outro ponto importante. O diretor da Ripple aponta que é necessário acompanhar as comunidades, participar de eventos para adquirir conhecimento prático, conhecer pessoas e desenvolver novos negócios.

3. Flexibilidade

O executivo ressalta que as pessoas devem ser flexíveis para trabalhar com a blockchain, e comparou a evolução dos carros, que hoje contam com várias vertentes (carros esportivos, de luxo, etc), com a evolução que deve ocorrer com a blockchain.

Usando a Ripple como exemplo, Luiz Antonio aponta que a Ripple “buscou uma especialização do uso da tecnologia para resolver um problema real de pagamentos internacionais”.

4. Curiosidade

A blockchain, por ser uma tecnologia recente, com pouco mais de uma década, “tem conteúdo novo sendo disponibilizado todos os dias em diversas plataformas”, por isso, é importante se manter sempre curioso(a) sobre o setor e buscar novas informações constantemente.

5. Mantenha-se impulsionado na missão

“Trabalhar em setores inexplorados traz fortes desafios”, diz Luiz Antonio, mencionando o ceticismo das pessoas no mercado. Por isso, o profissional deve se manter focado em sua missão, afirma.

Usando as gigantes Google e Facebook como exemplo, o executivo aponta que as dificuldades vêm para todos, mas ambas revolucionaram o mercado por meio do processo de amadurecimento e desenvolvimento que, como ele aponta, deve acontecer também com a blockchain.

Leia também: Assic esclarece a compra dos títulos executivos para recuperar o dinheiro investido na Indeal

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram, Twitter e Telegram para ficar por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias