Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Binance opera ilegalmente na Malásia, diz autoridade local

Binance opera ilegalmente na Malásia, diz autoridade local

Binance-P2P-transações-exchange-criptomoedas-turquia-banco

De acordo com a Comissão de Valores Mobiliários da Malásia (CVM), a Binance, considerada uma das maiores exchanges do mundo, está violando a lei operando no país, conforme reportagem do Decrypt.

A CVM adicionou uma lista de alerta de exchanges de criptomoedas que exercem atividades regulamentadas pelo mercado de capitais sem licença ou registro, e aconselhou os investidores a não utilizarem a plataforma. 

A Binance está “operando em um mercado reconhecido sem a autorização do Securities Commission (SC)”, afirma a CVM. 

A lei na Malásia declara que as exchanges de criptomoedas que operam sem licença “podem estar sujeitas a uma multa que não exceda RM10 milhões, ou seja, US$2,3 milhões”. 

O SC regula as atividades do mercado de capitais que negociam títulos; negociação de derivativos; gestão de fundos; assessoria em finanças corporativas; conselhos de investimento; planejamento financeiro; e negociação de planos de previdência privada; prestar serviços como operador de mercado; ou emitir, ou oferecer valores mobiliários sem a devida aprovação, autorização ou reconhecimento.

Porém, a Binance não parou de oferecer seus serviços a usuários da Malásia. O representante de atendimento ao cliente, Scarlett, disse que a exchange não tem planos de parar de operar no país. 

O CEO do site de classificação de criptomoedas CoinGecko, Bobby Ong, comentou que a Binance poderia ter sido colocada na lista por não possuir licença para operar um gateway de fiat-para-cripto do ringgit da Malásia.

David Low, gerente geral da Luno, disse que a Binance poderia ter sido colocada na lista por “promover ativamente sua plataforma e serviços para os malaios” e tentou liberar seu próprio cartão de débito “sem aprovação nem licença da CVM”. 

Bobby Ong explicou que, embora as empresas estejam desrespeitando a lei da Malásia, elas não possuem escritórios locais. 

“Essas plataformas não têm escritórios locais na Malásia. Se o fizessem, já teriam sido invadidos e encerrados”, disse Bobby.

“Os usuários da Malásia estarão muito menos protegidos e não terão nenhuma proteção legal sob a lei da Malásia” se continuarem a usar a Binance, segundo o gerente geral da Luno, David Low.

Simplificando, os usuários da Malásia “usarão a Binance por sua conta”, comenta Low.

A Binance é uma exchange global de criptomoedas que fornece uma plataforma para negociação com mais de 100 moedas digitais.

Desde o início de 2018, a Binance é considerada a maior exchange de criptomoedas do mundo em termos de volume de negociação.

Leia também: ‘Desculpe, só vendo Dogecoin’, diz Elon Musk

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram, Twitter e Telegram para ficar por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias