Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Guedes acusa FEBRABAN de manipular a imprensa contra imposto digital

Guedes acusa FEBRABAN de manipular a imprensa contra imposto digital

Guedes acusa FEBRABAN de manipular a imprensa contra imposto digital
Imagem Reprodução InfoMoney/ Ueslei Marcelino

O Ministro da Economia, Paulo Guedes, acusou a Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN) de manipular a imprensa contra o imposto digital. 

Para o ministro, os bancos já cobram uma “CPMF”,  um novo imposto sobre as transações financeiras e pagamentos eletrônicos que Guedes quer implementar. 

Guedes diz que as instituições financeiras são contra esse imposto porque “querem beber água onde os bancos bebem”. 

De acordo com o ministro, em um seminário organizado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, a Febraban faz isso em benefício próprio. Segundo ele, a instituição ganha dinheiro vendendo consultoria contra o imposto.

“Os bancos já cobram uma CPMF hoje. A Febraban é a que mais subsidia e paga todos os economistas brasileiros para dar consultoria contra esse imposto, mas a Febraban está fazendo isso porque querem beber água onde os bancos bebem”, afirma Guedes.

O ministro diz ainda que as taxas cobradas para transferências como o TED, são “dez vezes” maiores que a alíquota do imposto que ele quer propor. 

A criação da nova CPMF, cobraria imposto sobre as transações digitais, inclusive para o bitcoin (BTC) e outras criptomoedas comprados em exchanges. 

Guedes vem defendendo essa tributação sobre criar uma fonte de receita para desonerar a folha de pagamentos de todos os setores da economia.

O ministro também pretende criar um imposto sobre dividendos, pois “não é razoável nem socialmente justo que alguém que vive de capital pague zero Imposto de Renda”. 

Conforme reportou o Globo, o governo estuda usar o novo imposto para reduzir a contribuição patronal ao INSS, como forma de incentivar empregos. 

O ministro rejeita a comparação da criação deste imposto sobre transações eletrônicas com a antiga CPMF. 

“Esse imposto não passa nem pelos bancos. Ele transcende, é por uma infovia digital”, disse Guedes. 

Segundo o ministro, “da mesma forma que você paga um pedágio para trafegar numa rodovia, se tiver usando uma infovia digital que o governo fez, disponibilizou grátis para todos os brasileiros, ele pode cobrar um pequeno imposto pelo trânsito, pelo tráfego de informação que passa aí”.

Leia também: Rússia vai para cima do mercado de criptomoedas

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram, Twitter e Telegram para ficar por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias