Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

KuCoin pode ter sofrido o 3° maior hack da história das criptomoedas

KuCoin pode ter sofrido o 3° maior hack da história das criptomoedas

kucoin-exchange-criptomoedas-bitcoin-ethereum-btc-hack-corretora-hackeada-milhões

O ataque milionário sofrido pela exchange de criptomoedas KuCoin no último sábado (26) pode ter sido o terceiro maior hack da história dos criptoativos. 

No dia do roubo surpreendente às carteiras quentes da corretora, o Criptonizando informou a comunidade cripto de que, segundo o anúncio da KuCoin, o prejuízo seria de pelo menos US$ 150 milhões em Bitcoin e outros ativos digitais. 

Contudo, o montante levado pelos hackers pode ser muito maior, de acordo com o popular pesquisador de criptomoedas Larry Cermak. 

Ao examinar carteiras “muito prováveis” associadas à KuCoin, Cermak estimou que o valor roubado na verdade é de US$ 280 milhões (cerca de R$ 1,5 bilhão). 

A quantia representa quase o dobro do valor informado pela empresa no dia do ataque. 

3° maior hack da história cripto 

Segundo o pesquisador, se suas estimativas estiverem corretas, este é o terceiro maior hack da história das criptomoedas. 

Além disso, representa um roubo sete vezes maior do que o hack sofrido no ano passado pela Binance, maior exchange de criptoativos do mundo. 

Cermak compartilhou o gráfico onde estima qual a quantidade de cada ativo digital foi roubada no ataque à KuCoin, e quem lidera são os tokens ERC-20, representando US$ 147 milhões. 

Em segundo lugar, ficou a Stellar, com US$ 87 milhões, seguida do Bitcoin, com US$ 21,9 milhões.  

Tokens TRC-20, XRP e Ethereum vêm logo atrás, com US$ 5,6 milhões, US$ 4,5 milhões e US$ 4,1 milhões, respectivamente. 

O restante teria sido levado em Tron, BSV, Litecoin LTC, Tether (omni) e XLM. Confira: 

hack-kucoin-exchange-bitcoin-criptomoedas

KuCoin prometeu restituir os clientes 

No dia do hack, a KuCoin assegurou seus clientes de que o fundo de seguro da exchange irá reembolsá-los. 

No entanto, Cermak acredita que “quase não há chance” de recuperar as moedas roubadas, mesmo que boa parte dos tokens tenham sido congelados, bifurcados e colocados numa lista de proibidos por outras corretoras. 

“É muito estranho para mim que a KuCoin está confiante de que pode cobrir esses valores com o fundo de seguro”, declarou. 

Leia também: Startup brasileira quer se tornar o primeiro banco de criptomoedas do país e busca sócios

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram, Twitter e Telegram para ficar por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias