Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Corretora Binance destrói US$ 68 milhões em BNB

Corretora Binance destrói US$ 68 milhões em BNB

burn-queima-binance-bnb-coin-token-preço-comprar-investir-

Durante a madrugada deste sábado (17), a corretora Binance, principal mercado, destruiu mais de US$ 68 milhões em sua criptomoeda, a Binance Coin (BNB). 

Essa foi a maior queima de todos os tempos em valor em dólares, e a quarta maior em quantidade de BNB, com 2.253.888 tokens destruídos. 

A quantidade equivale a 1,13% do estoque em circulação, de 144.406.561 BNB. 

Por que destruir os tokens? 

Ao queimar um token, este é retirado de circulação. A prática ocorre periodicamente para aumentar a demanda pela moeda, visando um aumento em seu preço. 

No caso da Binance, esta é a 13ª vez que a exchange destrói seus tokens. A prática é realizada a cada trimestre pela corretora. 

No trimestre anterior, a exchange queimou 1,74% do estoque, ou 3.477.388 tokens, no valor de US $ 60,5 milhões na época. 

Para realizar as queimadas, a Binance usa seus lucros para comprar Binance Coin no mercado aberto e, em seguida, destrói os tokens adquiridos. 

O objetivo é reduzir o fornecimento para 100 milhões de tokens. Dessa forma, ainda restam 44,4 milhões em BNB a serem destruídos. 

Preço subiu 

A nova queima resultou em uma alta no preço da BNB, levando a criptomoeda 20 centavos acima, em US$ 30,55, de acordo com o Coin360. 

No momento da publicação da matéria, no entanto, a moeda sofreu uma correção para US$ 30,37. 

Em março deste ano, com o pânico geral pela pandemia do novo coronavírus, a BNB caiu de US$ 25 para US$ 8, mas se recuperou com força, atingindo seu preço atual. 

“US$ 68 milhões em BNB fora de circulação para sempre”, escreveu o CEO da Binance, Changpeng ‘CZ’ Zhao. 

Leia também: Uma enorme parede de dinheiro levará o Bitcoin a US$ 1 milhão até 2025, diz Raoul Pal

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram, Twitter e Telegram para ficar por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias