Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Organização internacional do G7 prepara regulamentação para plataformas P2P de criptoativos

Organização internacional do G7 prepara regulamentação para plataformas P2P de criptoativos

bitcoin-p2p-peer-criptomoedas-criptoativos-g7-fatp-organização-financeira-internacional-regulação-regulamentação-lei-eua-reino-unido

O Grupo de Ação Financeira Internacional (FATF, na sigla em inglês), fundado pelo G7, está preparando uma regulamentação específica para as plataformas P2P de criptoativos, como Bitcoin e outras moedas digitais.

A organização intergovernamental tem como objetivo o combate à lavagem de dinheiro, e veio do grupo dos países mais industrializados do mundo (G7), composto por: Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido.

A FATF disparou um alerta contra operadores peer-to-peer, afirmando que “agora está olhando de perto as transações P2P” que envolvem empresas de criptomoedas, formalmente conhecidas como Virtual Asset Service Provider (VASP).

Embora a organização não tenha citado nenhuma plataforma P2P específica, Sandra Garcia, Diretora de Segurança Nacional, Ameças e Tendências, afirma que algumas empresas alegam só operar fora das atribuições do FATF, descartando a necessidade de cumprir a Travel Rule.

Essa regra determina que países membros do G7 garantam que empresas VASP, como exchanges de criptomoedas, coletem e troquem informações do beneficiário e do originador com contrapartes durante qualquer transação superior a US$ 1.000.

As informações incluem nomes, números de contas, endereços físicos e números de identificação exclusivos – como acontece no Brasil, devido à IN 1888.

Regulamentação a caminho

Para evitar que empresas P2P escapem da rede regulatória, Garcia, que também é Co-presidente do Grupo de Contato de Ativos Virtuais da FATF, disse que requisitos regulatórios específicos para o setor devem surgir em 2021.

Durante a Cúpula V20, Garcia afirmou que a organização internacional examinará essas empresas e poderá mudar as diretrizes para que operadores P2P não escapem da regulamentação.

Embora a diretora de segurança afirme que o FATF ainda está “nos primeiros dias de coleta de dados” em plataformas P2P, ela declarou que a organização procuraria “fornecer clareza sobre que [tipo de transação] envolve e não envolve um VASP”.

Garcia observou que o FATF estava “particularmente” interessado em olhar para os operadores P2P que faziam uso de “carteiras não hospedadas”, ou seja, offline.

O FATF publicará uma revisão de 12 meses do progresso e das diretrizes atualizadas em junho de 2021, na sequência de sua emissão de diretrizes para 2019.

Leia também: Preço do Bitcoin deve chegar a US$318 mil em 2021, diz diretor do Citibank

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram, Twitter e Telegram para ficar por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias