Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Banco Central Europeu está preparado para emitir o Euro digital

Banco Central Europeu está preparado para emitir o Euro digital

Banco Central Europeu está preparado para emitir o Euro digital

O Banco Central Europeu (BCE) anunciou nesta sexta-feira (02), que a Europa está preparada para emitir o Euro Digital. 

No anúncio, o Banco Central diz que está atendendo a uma crescente demanda com a digitalização se espalhando por todas as áreas. 

A notícia foi divulgada com um relatório digital do euro, que expôs as razões para a emissão de um euro digital.

Expondo também os potenciais efeitos que isso pode ter no continente, bem como as consequências jurídicas que um euro digital pode causar, conforme reportou o Decrypt

“O euro pertence aos europeus e nós somos o seu guardião. Devemos estar preparados para emitir um euro digital, caso seja necessário”, disse Christina Lagarde, presidente do BCE.

O membro da Comissão Executiva do Banco Central Europeu, Fabio Panetta, abordou o rápido impacto que a digitalização está tendo nas sociedades. 

De acordo com Fabio “a forma como pagamos não é exceção. Nossas práticas estão mudando – em alguns países, isso ocorre rapidamente”.

O relatório oferece uma avaliação das opções econômicas, estratégicas, tecnológicas e sociais que influenciam a criação do euro digital.

“Devemos estar prontos para emitir um euro digital se e quando os desenvolvimentos à nossa volta o tornarem necessário” segundo o relatório.

A declaração continua, “isso significa que já precisamos nos preparar para isso. Nos próximos meses, iremos ouvir e experimentar para podermos tomar uma decisão totalmente informada sobre o possível desenvolvimento e lançamento de um euro digital”.

Um euro digital teria como objetivo preservar o bem público que o euro oferece aos cidadãos: acesso gratuito a um meio de pagamento simples, universalmente aceito, sem riscos e confiável.

Outras características do euro digital, apresentadas no relatório incluem resiliência cibernética e eficiência digital.

“Os serviços digitais do euro precisarão ser altamente resistentes às ameaças cibernéticas e capazes de fornecer um alto nível de proteção ao ecossistema financeiro contra os ciberataques”.

O euro digital deve “acompanhar o ritmo da tecnologia de ponta em todos os momentos, a  fim de melhor atender às necessidades do mercado”. 

A digitalização da moeda, complementaria o dinheiro, não o substituiria, para ajudar na inclusão financeira, juntos eles oferecem as pessoas mais opções e acesso mais fácil aos meios de pagamento. 

De acordo com o relatório, o euro digital não seria um criptoativo, “o euro digital seria uma forma livre de risco de dinheiro do banco central, o que significa que é emitido pelo banco central e permanece como sua responsabilidade em todos os momentos”.

O relatório finalizando dizendo que “o euro tem se saído bem até agora, fornecendo uma moeda na qual os europeus confiam. Precisamos ter certeza de que nossa moeda é adequada para o futuro”.

Leia também: Primeiro fundo 100% de Bitcoin do Brasil foi aprovado pela CVM

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram, Twitter e Telegram para ficar por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias