Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

CEO da Mastercard diz que Bitcoin não serve para inclusão financeira

CEO da Mastercard diz que Bitcoin não serve para inclusão financeira

mastercard-bitcoin-banga-btc-inclusão-financeira-economia-negócios-criptomoedas

Segundo Ajay Banga, CEO da Mastercard, o Bitcoin (BTC) não serve para impulsionar a inclusão financeira.

O executivo da gigante multi-bilionária disse que a criptomoeda é volátil demais para ser uma ferramenta útil para a população desbancarizada.

“Não é uma maneira de incluí-los, é uma maneira de deixá-los com medo do sistema financeiro”, declarou Ajay durante a conferência Fortune Global Forum, na terça-feira (27).

Empecilhos para o Bitcoin

O CEO da Mastercard argumenta que “o Bitcoin em si é volátil em sua valorização”, por isso, afirma que apostar na moeda para trazer pessoas para os bancos e sistema financeiro não é uma boa alternativa.

“Você consegue imaginar alguém que está hoje financeiramente excluído, negociando para que seja incluído no mercado por meio de uma moeda que pode custar o equivalente a 2 garrafas de Coca-Cola hoje e 21 amanhã?”, disse o executivo, acrescentando que isso iria apenas assustar a população.

De fato, o Bitcoin chegou a cair abaixo de US$ 5.000 em março deste ano, com o início da pandemia, tendo se recuperado e ultrapassado os US$ 13.000 no mês de outubro.

Mas a volatilidade não é o único fator de impedimento para que o criptoativo seja eficiente nesta tarefa, segundo Ajay.

O executivo criticou a falta de conhecimento sobre a identidade da pessoa (ou grupo de pessoas) por trás da criação do Bitcoin, e declarou acreditar nas moedas digitais emitidas por bancos centrais, as chamadas CBDCs.

Confiança nas CBDCs

“Não acredito na volatilidade ou, por falar nisso, na ausência de transparência sobre quem é a pessoa que está envolvida com aquela moeda. Então, é por isso que nós acreditamos nas moedas digitais do banco central”, disse.

Segundo ele, as CBDCs podem ajudar a melhorar alguns aspectos do setor financeiro.

Ajay disse ainda que a Mastercard investiu “uma quantidade de dinheiro considerável” em CBDCs, acrescentando:

“Hoje, somos um dos maiores detentores de patentes de moedas digitais do banco central no espaço.”

Na China, Estados Unidos, Japão e outros países ao redor do mundo, a conversa sobre moedas digitais emitidas pro bancos centrais já começou. Nas Bahamas, uma CBDC já foi lançada na semana passada.

Segundo Jerome Powell, presidente do Federal Reserve dos EUA, cerca de 80% dos bancos centrais estão explorando a ideia de lançar um CBDC.

Leia também: FTX lança pares de Bitcoin para ações da Tesla, Apple, Netflix e mais

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram, Twitter e Telegram para ficar por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias