Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Polícia Civil vai atrás da Genbit, a suposta "pirâmide evangélica"

Polícia Civil vai atrás da Genbit, a suposta "pirâmide evangélica"

A Polícia Civil de São Paulo iniciou as investigações sobre as denúncias contra a Genbit, empresa que oferecia investimento em Bitcoin, conforme reportou a afilia da Rede Globo em Campinas EPTV

A Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP), em nota declarou que um inquérito foi instaurado para apurar o caso. A Polícia já ouviu algumas vítimas da empresa e já interrogou os responsáveis. 

Segundo a SSP o processo está em trâmite, com diligências sendo realizadas pela equipe. 

Conforme informações divulgadas pelo Ministério Público, outras cinco empresas estão sendo investigadas.

A Genbit está há quatro meses sem pagar seus investidores, a empresa já foi citada em decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo como “possível golpe”.

Segundo os responsáveis, a corretora de criptomoedas pretende fazer os pagamentos em dez vezes, a partir de março de 2020. 

A defesa alegou que as suspensões das atividades ocorreram por conta de uma ordem da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), segundo o advogado Rainaldo Oliveira, os clientes com problemas devem procurar a empresa para regularizar a situação. 

Recentemente, uma cliente da Genbit, afirmou que a empresa parecia “uma seita religiosa” e se apresentava para os investidores como um negócio seguro. 

A empresa prometia rendimentos de até 15% ao mês, em dezembro, o presidente da Genbit, divulgou um comunicado pedindo desculpas aos seus clientes pelos transtornos que a empresa vem causando. 

A investidora Gilmara Carcetti dos Santos, disse que perdeu toda a poupança do pai investindo na empresa, pois acreditavam neles “por serem evangélicos”

A empresa, Genbit, criou uma criptomoeda própria para pagas as dívidas, semelhante às estratégias adotadas pela Unick Forex e Minerworld. A empresa criou a criptomoeda Treep Token (TPK), no entanto, o ativo não possui liquidez, e a empresa afirma que tem esperança de que a moeda se valorize no decorrer do ano. 

O advogado da empresa, Rainaldo, afirma que “os ativos digitais mencionados no contrato, já foram todos antecipados na certeira digital dos clientes, e que esse é um contrato que não se negociou dinheiro por dinheiro”. 

Leia também: 5 grandes lições para aprender com o mercado de criptomoedas da China de 2019

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram e Twitter e fique por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias