Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Justiça brasileira pede explicações à Ethereum sobre criptomoeda da BWA

Justiça brasileira pede explicações à Ethereum sobre criptomoeda da BWA

bwa-brasil-justiça-ethereum-criptomoeda

A justiça brasileira quer que a Ethereum explique o que é a BWAcoin, criptomoeda da BWA Brasil, empresa que passa por um polêmico plano de recuperação judicial no país. 

Conforme reportou o Livecoins nesta segunda-feira (05), a Justiça de São Paulo quer informações sobre os 2 bilhões de unidades de token do tipo ERC-20 criados pela empresa brasileira na rede da criptomoeda descentralizada Ethereum (ETH). 

A BWA Brasil prometia rendimentos diários sobre supostas negociações com Bitcoin, mas interrompeu os pagamentos no fim de 2019. Recentemente, a empresa anunciou seu pedido de recuperação judicial, que foi aprovado mês passado. 

Com isso, a BWAcoin foi criada com o objetivo de quitar as dívidas com os clientes da empresa, que promete listar a criptomoeda em exchanges ao redor do mundo em 2021. 

A empresa que estaria com o dinheiro preso no Grupo Bitcoin Banco, diz também que o token será aceito em estabelecimentos e e-commerces. 

Contudo, atualmente a criptomoeda não tem valor algum, semelhante ao Treep Token (TPK) criado pela Genbit com o mesmo objetivo de pagar os investidores lesados. 

Justiça quer saber

Agora, a justiça brasileira pede que a Ethereum “disponibilize todas as informações acerca da moeda digital BWACOIN”, incluindo: 

“Transações e valor de mercado, desde a sua criação até a presente data. Ainda, deverão ser prestadas todas e quaisquer informações que a referida empresa possui em relação às negociações tidas com a requerida.” 

Fraudes na recuperação judicial

De olho no plano de recuperação da empresa, o Administrador Judicial no caso diz que a empresa estaria cometendo fraudes no processo que corre em sigilo de justiça. 

Diante da situação, foi lançado um pedido da Justiça para bloquear os bens da BWA Brasil: 

“Ante as alegações e os documentos juntados pelo Administrador Judicial, notadamente quanto aos indícios de fraude e suposta prática de crime falimentar, é o caso de concessão da medida cautelar de arresto, com vistas a garantir a efetividade do futuro provimento jurisdicional.” 

Os sócios da empresa deverão ser monitorados pela Polícia Federal, e barcos, carros, aviões e criptomoedas da empresa passam a ser bloqueados. 

Leia também: Cadastro no PIX: Bancos vão sortear até R$ 1 milhão em prêmios para clientes

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram, Twitter e Telegram para ficar por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias