Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Nota de R$ 200: Banco Central deve retirar todas as cédulas de circulação, diz Defensoria Pública

Nota de R$ 200: Banco Central deve retirar todas as cédulas de circulação, diz Defensoria Pública

Nota de R$ 200: Banco Central deve retirar todas as cédulas de circulação, diz Defensoria Pública
Imagem oficial da nova nota de R$ 200.

A Defensoria Pública da União (DPU) recorre à Justiça para que Banco Central retire as cédulas de R$ 200 de circulação. 

A Ação Civil Pública movida pela DPU alega a falta de acessibilidade, já que as cédulas têm a mesmas dimensões da nota de R$ 20. 

A ação foi protocolada e assinada em conjunto com a Defensoria Pública do Distrito Federal e com a Organização Nacional de Cegos do Brasil nesta última sexta-feira (09).

O Banco Central (BC) deverá retirar as cédulas de circulação pouco tempo depois de ser lançada.

A Ação Civil Pública prevê também uma multa de R$50 mil por dia em caso de descumprimento, conforme reportou o G1.

“A inviabilização da identificação da nova cédula pelas pessoas com deficiência visual, por gerar efeitos de exclusão e prejuízo ao exercício dos direitos dessa comunidade, caracteriza discriminação por parte da Administração Pública”, diz trecho do documento.

O Banco Central não se manifestou sobre o ocorrido, embora a Defensoria já tivesse manifestado insatisfação com a nova cédula.

No documento, a Defensoria Pública solicita que a justiça determine o recolhimento das notas de R$200 já em circulação. 

Além da condenação do Banco Central, a ação diz que na impossibilidade seja proibido de produzir novas cédulas com tamanhos semelhantes ao de qualquer outra nota já em circulação.

A Defensoria do DF já havia recomendado as mudanças ao banco e à Casa da Moeda. As orientações, no entanto, não foram atendidas. 

No site, o Banco Central afirma que a escolha das dimensões iguais das notas de R$ 200 e R$ 20 foi devido ao “curto espaço de tempo” para colocar a nota em circulação. 

Segundo o BC, para produzir a nova cédula em formato maior, seria necessário a adaptação do parque fabril, o que não era viável no tempo disponível. A cédula foi lançada em 2 de setembro.

“Como a nova cédula possui um formato já existente, sua adaptação aos caixas eletrônicos e aos demais equipamentos automáticos que aceitam e dispensam cédulas será mais rápida”, declara o BC.

O Conselho Monetário Nacional (CMN) liberou R$113,4 milhões para a impressão das 450 milhões de cédulas de R$200 em setembro.

Leia também: Governo quer congelar aposentadorias maiores que um salário mínimo

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram, Twitter e Telegram para ficar por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias