Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Censura de Bitcoin por meio da mineração cria precedentes perigosos

Censura de Bitcoin por meio da mineração cria precedentes perigosos

Censura de Bitcoin por meio da mineração cria precedentes perigosos

A criação do pool de mineração de Bitcoin (BTC) Blockseer chamou a atenção por censurar transações das carteiras incluídas na lista de bloqueados da agência do governo dos EUA.

Segundo o Criptonoticias, o grupo de mineração foi criado para cumprir as normas do Office of Foreign Assets Control (OFAC) do governo dos Estados Unidos. 

Blockseer é uma subsidiária da empresa americana DMG Blockchain Solutions, que anunciou recentemente o lançamento beta privado de seu pool de mineração de bitcoin. 

O grupo vai operar sob uma nova metodologia em que os novos blocos incluirão apenas transações filtradas. 

Os filtros serão baseados em dados fornecidos pela Walletscore, a ferramenta forense blockchain da própria empresa, e outras fontes, como endereços de carteiras de bitcoin na lista de bloqueados do OFAC. 

A metodologia implementada pela Blockseer já está deixando uma marca no ecossistema das criptomoedas, pois vários especialistas acreditam que o precedente não convida ao otimismo.

Para o cofundador da Paralelna Polis, Juraj Bednar, a censura introduzida na mineração de Bitcoin pelo pool da Blockseer é “um precedente perigoso que é até assustador”. 

O ex-desenvolvedor líder do Monero, Riccardo Spagni, está convencido de que em nenhum momento a maioria dos pools de mineração de bitcoin será forçada a realizar a filtragem de transações. 

Bednar acredita que o vazamento de transações será uma prática que acabará se impondo entre os pools de mineração porque eles não são rebeldes contra o sistema, mas têm acionistas e interesses a defender, então, se o governo instituir, todos eles vão acabar cumprindo.

Bednar vê uma perspectiva um tanto sombria ao considerar que, se 50% da taxa de hash do bitcoin acabar aplicando censura, então esta permaneceria uma regra estabelecida. 

O cofundador da Paralelna, aponta preocupação de que se entenda que cada bloco minerado que introduza transações proibidas por organismos internacionais, significa que os mineradores estariam lavando dinheiro. 

“Se o governo chega e diz: ‘Você não pode minerar os blocos que esses UTXOs gastam, ou você perderá sua conta bancária, conta de câmbio, licença comercial ou irá para a cadeia por lavagem de dinheiro’, a maioria dos grandes mineradores iria cumprir”, diz Bednar.

Os primeiros passos para o fim da não censura no Bitcoin já estão em andamento e embora agora não signifique muito, Bednar acredita que uma vez os mineradores se juntem ao vazamento de transações, não haverá volta. 

Ele acrescenta que os usuários não terão onde se abrigar porque as soluções de segunda camada, como a rede Lightning, também serão afetadas pela análise de reguladores como a Força-Tarefa de Ação Financeira e o OFAC.

Leia também: Forbes diz que preço do Bitcoin caminha para alta histórica e aconselha: ‘Hodl’

Curta o Criptonizando no Facebook, Instagram, Twitter e Telegram para ficar por dentro de tudo que acontece no Mercado Cripto.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Últimas Notícias